ALTO DO SÃO FRANCISCO

Hoje vamos recordar em poucos tópicos um pedaço de nossa querida Curitiba. Este bairro não muito grande, se estende desde o Largo da Ordem até imediações da Rua Martim Afonso.

Desde o seu início no Largo da Ordem destacamos duas Igrejas distintas em seus ritos, porem ambas Cristãs. A primeira trata-se da “PRESBITERIANA INDEPENDENTE“ berço cristão que abrigou minha família paterna e que transmitiu, a mim e meus manos, fortes ensinamentos para a formação de nosso caráter.

Logo em frente, encontramos a centenária “IGREJA DO ROSÁRIO” com sua beleza colonial chamada nos idos anos, de Igreja dos Pretos, por ter sido construída durante o Império para abrigar e servir aos escravos. Durante muito tempo, serviu de ponto de parada a todos os séquitos funerais, que se destinavam ao sepultamento no Cemitério Municipal, para receberem as homenagens finais. Muito frequentei esta Igreja como aluna do Colégio Divina Providência durante o curso ginasial. Ali se encontra sepultado o memorável cardeal Monsenhor Celso da Cunha, que oficializou o casamento de meus pais em 1918.

Chegamos agora na famosa Praça Garibaldi onde vemos em evidência um suntuoso prédio com sua arquitetura neoclássica onde está situada a também centenária “SOCIEDADE GARIBALDI“ onde há anos vem abrigando os valorosos italianos que aqui vieram em busca de melhores dias para si e seus entes queridos. Meu avô Francisco Leone foi um destes, fazendo parte da diretoria desta digna entidade! Muitas festas e casamentos de familiares e amigos, tomei parte com muita alegria nesta sociedade.

Logo atrás, encontramos as famosas “RUÍNAS DE SÃO FRANCISCO”. Conta-nos a história Curitibana de tratar-se da primeira construção cristã que não se concretizou e acabou abandonada ainda no tempo dos Jesuítas. Muitas lendas ouvi serem narradas quando ainda criança uma delas de se tratar de lugar cujo solo havia muito ouro em forma de moedas enterradas. Daí a procura destes tesouros por muitos, sem ser encontrados nada de concreto.

Ao lado já na “PRAÇA JOÃO CÂNDIDO” encontramos uma pequena construção (Belvedere ou pequeno mirante) onde no passado foi a velha Rádio Clube Paranaense (PRB2). Mais tarde transformou-se no “Centro Paranaense de Cultura” uma entidade da qual fiz parte como aluna, no curso de Corte e Costura e Frances. Atualmente após o tombamento, acha-se o mesmo abandonado.

Ao lado esquerdo na mesma Praça encontramos outro prédio imponente ainda tratando-se do “PALÁCIO DE SÃO FRANCISCO” o primeiro Palácio do Governo do Paraná. Mais tarde abrigou o “TRIBUNAL ELEITORAL” e também o “MUSEU PARANAENSE”

Do outro lado fechando a Praça, no passado havia um clube muito popular, denominado “SOCIEDADE BENEFICENTE OPERÁRIA” onde aconteciam todos finais de semana bailes populares (Oziel  e sua turma frequentaram bastante). No carnaval ali era escolhida a Rainha do Carnaval e os melhores blocos de rua. Não esquecendo, os famosos bailes de travestis da época, também com suas eleições (lembro das pauleiras).

Para terminar recordemos da linda “IGREJA DE SÃO VICENTE DE PAULO” (foto) situada logo atrás desta Sociedade e também a velha e bonita “CAIXA D’ÁGUA ALTO DE SÃO FRANCISCO” sendo a primeira de nossa Capital, tendo ao lado o imponente prédio da ”TELEPAR” inesquecível por todos nós da velha guarda!

Convidando-lhe para mais um tour na próxima semana aqui me despeço muito grata.

RECORDAR É VIVER !

3 Comentários

  1. Albano

    Com a permissão da tia Iara gostaria de fazer um pequeno registro sobre as ruínas de São Francisco.

    Segue abaixo um recorte de jornal.

  2. Albano

    Vale dizer que o Padre Antônio Vicente da Cruz é o mesmo que leva o nome da rua ao lado do Colégio Estadual do Paraná (Padre Antônio). Filho do casal Antonio Vicente da Cruz e Laura Maria do Nascimento Borges, a “Nhá Laura”.

  3. Iara N. Alves

    Bem lembrado este registro que muito veio a esclarecer fatos não conhecidos por mim e outros.
    Obrigada. Iara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *