CULTURA NOS VELHOS TEMPOS

Voltando ao passado, mais precisamente à década de 40 em diante, nos deparamos com um clima de cultura quase totalmente diferente dos dias atuais. Lá encontramos uma juventude amiga das artes, música, teatro além da boa leitura.

Compreendo que estamos vivendo outra era com a expansão da mídia e de novos conhecimentos no campo digital e científico, que muito nos auxilia no nosso viver do dia a dia.

Relembro com certa dose de saudades, nossas idas quase que diárias à Biblioteca Pública com a finalidade de pesquisas escolares, sobretudo ao empréstimos de livros que devorávamos em poucos dias de leitura. Ressalto que nesta época não contávamos ainda com a transmissão da TV sendo esta inaugurada lá pelos anos de 1957 em diante.

Lembro também quando ia com meus pais  à cidade de Baurú (foto acima mostra meu pai) e passando por S. Paulo, ficávamos extasiados com os primeiros aparelhos exibidos nas lojas do ramo. Era uma admiração só!

Nosso passatempo quando ainda jovens, consistia em cinema, teatro, dança de salão em clubes, ou reuniões em residências de colegas (as famosas festinhas de final de semana) onde se ouvia e dançava boas músicas populares, até no máximo das 22 horas. As moças se encarregavam dos doces e salgados a serem servidos, já os meninos  entravam com as bebidas. Era um ambiente muito sadio, sendo nossos amigos na maioria, verdadeiros “gentlemans” para conosco, as jovens. Certos dias  rolava um bom jogo de cartas ou partidas de Ping-Pong.

Havia os que se dedicavam à música e nos brindavam com suas apresentações, aos finais de semana que passavam tão rápidos. Recordo ainda do início da “Jovem Guarda” com sua turma: Roberto Carlos, Wanderléia, Erasmo Carlos, quando nos brindavam também todos domingos com suas apresentações. Depois tivemos a era da Bossa Nova com a sempre lembrada dupla Jair Rodrigues e Elis Regina. Citemos também: Nara Leão, Chico Buarque, Vinícius de Moraes, Toquinho, Edu Lobo, Marcos Valle, Jorge Bem Jor.

Após vieram os “Novos Baianos” Caetano Velloso, Gal Costa e Maria Bethânia.

Recordemos nomes como: Cazuza, Tim Maia, Peri  Ribeiro, Dorival Caymmi, Elza Soares, a irrequieta Rita Lee, Marisa Monte e outros tantos que muito contribuíram para a divulgação de nossa música popular brasileira.

Quanto à música erudita ou clássica era muito apreciada e divulgada, tendo seguidas apresentações nas manhãs de domingo no Guaíra, da Orquestra Sinfônica do Paraná sendo que esta no princípio era “Orquestra da Universidade do Paraná”

Assim em poucas linhas reavivamos as ótimas recordações que tivemos no passado, que com o progresso e atualização de muitas áreas, acabaram deixando para trás doces lembranças ainda vivas dentro daqueles que viveram aqueles dias.

RECORDAR  É  VIVER !

  • Edna
    Edna 20 de agosto de 2017 às 12:51

    Havia também os passeios na rua xv de novembro aos domingos em que as moças passeavam na calcada e os rapazes ficavam encostados nas vitrines paquerando, todos bem vestidos de terno e gravata. A rua XV era nobre e chique, não como agora que virou baixo comércio com o aparecimento dos SHOPPING CENTER. Saudades!

  • Deixe seu comentário