O ENSINO PRIMÁRIO NO PASSADO

A partir deste momento discorreremos alguns tópicos relativos ao ensino primário no passado não muito longínquo. Dentre eles apontamos o empenho dos nossos antigos mestres que se dedicavam de corpo e alma ao ensino. Falo em ensino e não educação, que são duas coisas  distintas que muitas pessoas confundem.

Veja bem que quando se fala em ensino há uma globalização de matérias fundamentais para um aluno assimilar em sua derradeira idade ou infância. Dentre as matérias principais, melhor  dizendo, fundamentais encontramos de saída o Português seguido pela Matemática, logo após Estudos Sociais.

Como disse anteriormente, a escola  nunca foi e nem será responsável pela educação do cidadão; este sim deverá ser orientado já em tenra idade, por seus pais ou protetores. Cabe à escola complementar a educação recebida no seio familiar, através de bons relacionamentos sociais e humanos desenvolvendo assim um cidadão completo, para seu futuro.

Darei agora algumas pinceladas de como era o antigo aprendizado. Como não contávamos com a era digital, o ensino era demorado porém de grande abrangência porque os conhecimentos eram assimilados aos poucos. Éramos obrigados a desenvolver o hábito pela boa leitura. De quebra podíamos de vez em quando ler revistinhas de quadrinhos ou Gibis, o que fazíamos com muita satisfação! Em sala de aula todos os dias o professor fazia os demorados ditados os quais eram corrigidos no ato.

Como dever de casa eram solicitadas cópias de textos diversos, ou do livro de leitura do ano, além dos exercícios de gramática. Diariamente na escola os mestres solicitavam composições à vista de gravuras ou sobre temas diversos atuais da época (redação). Os professores levavam para suas casas imensas pilhas de cadernos para serem corregidos, tarefa  esta impossível de ser feita durante as aulas.

Falemos um pouco de matemática, esta matéria sempre temida por alguns era muito gratificante aprender já no início do  curso, digo decorar a famosa tabuada que muitos jovens estudantes ainda tem dificuldade no aprendizado. Com a ausência das famosas  calculadoras, sentia-se a necessidade em fazer cálculos mentais, exercício ainda praticado por nós da oitava década de vida.

Quanto a matéria estudos sociais, abrangendo geografia, história e ciências muito apreciada pela maioria dos alunos, pois tratava-se muito atrativa aos olhos do estudante que desenvolvia o gosto por uma determinada . Veja bem que em geografia fazíamos os mapas à mão livre e depois conforme a solicitação do professor, assinalávamos os acidentes encontrados. Sabíamos as capitais de todos os países do mundo todo.

Havia o estudo da geografia do Brasil e também a geral. Em história dava-se o mesmo era estudada história do Brasil e a geral. Veja que estou falando do curso primário que equivalia ao médio (ginasial) atual.

Os tempos mudaram e com eles tudo se transformou. Os professores mal pagos atualmente, precisando de trabalho em vários estabelecimentos para alcançar sua sobrevivência, se vêm obrigados por falta de tempo, a reduzir a capacidade de bem ensinar os seus pupilos.

Saudades é que restou daqueles dias gloriosos vividos junto a colegas da época.

RECORDAR É VIVER !!!

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *