SEMPRE LEMBRADA CÂNDIDO DE ABREU

Esta importante avenida tem início na confluência da Rua Inácio Lustosa com a Praça 19 de Dezembro, terminando no Palácio Iguaçu mais precisamente na Pça. Nossa Senhora de Salete.  

Vamos fazer uma pequena caminhada saindo do atual Shopping Müller. No local , no passado existiu uma fábrica com a denominação “Marumby” que se tratava da famosa “ FUNDIÇÃO  MÜLLER “ fabricante dos importantes chapas e fogões em ferro, verdadeiras obras de arte, sobretudo, muito vistosos com seus acabamentos dourados. Os referidos eram montados acompanhados de azulejos portugueses, nas residências mais apuradas da época. 

Nesta fundição eu e meus manos e amigos, passamos ótimos momentos de infância percorrendo aquele estabelecimento de cabo a rabo, quando nos era permitido. O que mais nos chamava  atenção, eram os fornos de alta temperatura, onde era derretido o ferro. 

 Ali nasceu mais tarde o nosso querido Shopping Müller que se destaca, há anos por seu porte austero, não sendo ultrapassado até hoje por nenhum, de sua categoria. Lembremos que o dito foi construído durante a gestão do grande Prefeito de Curitiba Dr. Jaime Lerner.   

Era de se notar que a pavimentação da dita avenida ainda não havia chegado e quando chovia, era um lamaçal só, sendo  enchentes constantes, devido ao transbordamento do Rio Belém, situado um pouco mais acima. As portas das residências eram dotadas de barreiras para evitar, um pouco a entrada das águas pluviais. Lembro-me que quando chovia era uma festa para nós ainda crianças, íamos de pés descalços naquelas enchentes, como era gostoso era uma alegria só!  Quem não apreciava muito eram nossas mães, pois ficávamos enlameados e totalmente molhados. 

Nesta época meu avô Álvaro José, se destacou junto à Prefeitura, dando dicas e ideias, para a solução do problema, que foi totalmente resolvido somente com a construção do então Centro Cívico. É de ressaltar que meus manos e amigos tomaram bons banhos no Rio Belém, que não era ainda poluído.

Caminhemos mais um pouco e atravessemos a Rua Fontana única rua que nos levava aos bairros, Juvevê, Bacacherí, S. Cândida etc.  

Estamos chegando agora numa vasta planície  chamada naqueles dias “CAMPO DO PARANÁ”. No passado aí residiam as famosas lavadeiras, senhoras que apanhavam trouxas de roupas nas residências ao redor, para lavagem das mesmas. Tratava-se de senhoras de origem polonesas e italianas no geral. Usavam longos vestidos floridos e se mostravam fortes e muito alegres! 

Neste espaço na década de 50 foi construído o nosso atrativo “CENTRO CÍVICO” imponente marco da história do Paraná mais precisamente, pela passagem do Centenário do Paraná. Seus prédios de uma arquitetura avançada, ali se encontram presentemente, incólumes, desafiando o tempo. Foi uma obra de muita importância, acabando reunindo quase todos os departamentos públicos da cidade, num só espaço! 

Assim, em poucos relatos, matamos as saudades desta rua que fez parte de minha vida e de tantos de minha época. 

RECORDAR É  VIVER ! 

* Foto Ilustrativa extraída do livro de Luiz Carlos Pereira Tourinho.

1 comentário

  1. Fernando Luiz Brandão do Nascimento
    Fernando Luiz Brandão do Nascimento Responder

    Costumo brincar com o nosso primo Albano que se fosse possível entrar em uma máquina do tempo e desta forma remetido ao final do século XIX e início do XX, não teria dificuldades em viajar para Curitiba e encontrar a residência de nossos avós ou até mesmo bisavós somente através dos nomes das ruas. Com estes depoimentos da Tia Iara esta tarefa fica cada vez mais fácil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *